luxo acessivel

Por Ricardo Ojeda Marins

Artigo publicado no Blog do Milton Jung (Rádio CBN)

O luxo em si é raro, limitado, de acesso a um número restrito de pessoas, portanto caro.

Muitas marcas, porém, mesmo de luxo, mantém em seu portfólio produtos considerados acessíveis ou, como costumamos chamar, produtos de entrada. A ideia é atrair consumidores que admiram e desejam a marca e, claro, ganhar no volume de vendas.

É essencial ressaltar que criar um produto de luxo acessível não tem relação alguma com política de descontos ou liquidações. São produtos geralmente de valor muito menor do que os produtos-chave da marca. Grifes de bolsas, carros, moda masculina e feminina são alguns exemplos que apostam nessa estratégia.

luxo acessivel oculos

Mas poderia uma marca de luxo se tornar banalizada por isso?

Se a gestão da marca for rigorosa e seletiva, dificilmente a grife será banalizada ou perderá seu valor perante o consumidor. Os exemplos são diversos como Louis Vuitton, Ralph Lauren, Tiffany&Co., Gucci ou Salvatore Ferragamo, marcas essas tradicionais que oferecem produtos de luxo intermediário e produtos acessíveis como chaveiros, porta-cartões e outros.

A francesa Louis Vuitton é exemplo do que falamos anteriormente, ou seja, a grife tem produtos acessíveis sem praticar política de desconto ou liquidação em nenhuma de suas lojas no mundo.

Um produto de luxo acessível não abre mão da alta qualidade e mantém ainda uma política de preço e distribuição menos seletivas como faz a grife Armani Exchange, se comparada as demais marcas do Grupo – Emporio Armani, Armani Collezioni ou Giorgio Armani.

luxo acessivel hierarquia luxo

Em geral, os produtos de luxo acessível são feitos em série e em grande número de unidades, como os perfumes que têm em seus frascos o nome dos criadores.

 

Ricardo Ojeda Marins é Coach de Vida e Carreira, especialista em Gestão do Luxo pela FAAP, Administrador de Empresas pela FMU-SP e possui MBA em Marketing pela PUC-SP. É também autor do Blog Infinite Luxury e escreve às sextas-feiras no Blog do Mílton Jung.